A Arara de Spix é talvez a mais famosa de todas as aves e uma das mais famosas, devido ao intenso monitoramento de seu rápido desaparecimento que levou a sua situação atual de estar completamente extinta na natureza.

Com todas as aves restantes desta espécie em cativeiro e sendo objeto de um programa intensivo de reprodução em cativeiro e planos futuros imediatos detalhados para sua reintrodução.

  • Dom√≠nio: Eukaryota.
  • Reino: Animalia.
  • Filo: Chordata.
  • Classe: P√°ssaros.
  • Ordem: Psittaciformes: Psitacciformes.
  • Fam√≠lia: Psittacidae.
  • Subfam√≠lia: Arinae.
  • G√™nero: Cyanopsitta.
  • Esp√©cie: Cyanopsitta spixii.

Características da Cyanopsitta spixii

A Arara da Spix (Cyanopsitta spixii) tem vários tons de azul. A cabeça é azul-claro, as asas e o rabo azul-escuro. A parte inferior das asas e a cauda são pretas. Eles têm uma área nua de pele cinza/preto no rosto que às vezes desbota para o branco e é branca quando são jovens.

Arara de Spix, Ararinha-azul

O bico é completamente preto, exceto nos jovens que têm uma faixa branca clara no centro da conta. A faixa branca na conta e o branco da pele da face de menores desaparece após 6 meses.

As pernas s√£o cinza claro quando jovens, tornando-se cinza escuro, quase pretas quando adultas.

Os olhos são escuros nos juvenis, mas desbotam para o branco à medida que as aves amadurecem.

H√°bitat:

As informa√ß√Ķes sobre a ecologia natural e o comportamento dessas aves s√£o limitadas, pois a pesquisa n√£o come√ßou at√© que n√£o houvesse mais de 3 aves conhecidas que vivessem na natureza.

No entanto, h√° registros de que est√£o associados a florestas de galeria dominadas por Tabebuia que crescem ao longo de riachos sazonais (riachos) na zona de caatinga (mato semi-√°rido de espinhos).

Há relatos de araras-araras de Spix que habitam savanas fechadas ou habitats mais habituais de caatinga (isto é, sem a floresta de Tabebuia caraiba).

As opini√Ķes de que a esp√©cie est√° ecologicamente ligada √†s palmeiras de Mauritia flexuosa continuam sem fundamento e, em vista da disponibilidade generalizada desses habitats, parecem altamente improv√°veis.

Arara de Spix, Ararinha-azul

Quando algumas aves foram descobertas em 1980, elas mostraram um forte comportamento greg√°rio.

Estas e as demais aves mostraram fortes caracter√≠sticas habituais, utilizando, por exemplo, poleiros em galhos nus no alto de √°rvores altas, fazendo v√īos di√°rios e particulados para os locais de nidifica√ß√£o (um desses locais foi reportado como sendo usado continuamente por 50 anos), as √ļltimas araras de Spix para as quais h√° dados dispon√≠veis estavam fortemente ligadas √†s araras maracan√°s.

Alegadamente, às vezes se observa dormindo em cima de cactos, por exemplo, da espécie Cereus squamosus.

Reprodução:

Na natureza, as araras de Spix’s Macaws fazem ninho em cavidades de √°rvores, na maioria das vezes em Tabebuia caraiba maduro, pelo menos v√°rios metros acima do solo.

A criação é geralmente entre novembro e março, talvez variando em relação ao calendário e à intensidade das chuvas.

A copulação geralmente dura entre 2 e 3 minutos e é feita com as duas aves de pé juntas em um poleiro com uma das pernas do macho (geralmente a direita) montada na parte de trás da alcatra da fêmea.

Pensa-se que o tamanho normal da ninhada na natureza tenha sido três anos de ovos.

Entretanto, em cativeiro, o tamanho mais comum da embreagem √© quatro e pode variar de um a sete. Um ovo m√©dio √© de 40 mm x 30 mm e pesa cerca de 20 gramas. Eles p√Ķem um ovo branco, de forma oval.

O período de incubação é de 25-28 dias e somente a fêmea realiza tarefas de incubação.

As fêmeas são alimentadas pelo macho, tanto dentro como fora do ninho. As pintos eclodem na maioria das vezes nus com uma pequena quantidade de cobertura na parte de baixo. O reconhecimento ocorre em cerca de 70 dias e as aves em cativeiro, criadas à mão, tendem a tornar-se independentes entre 100 e 130 dias.

Dieta:

A dieta da arara selvagem Spix’s Macaw incluiu sementes de Cnidoscolus phyllacanthus e Jatropha mollissima, sementes e frutos de Melanoxylon, frutos de Maytenus rigida e Ziziphus joazeiro, e possivelmente nozes de Syagrus coronata palmeiras, embora esta √ļltima provavelmente seja muito forte e grande demais para o bico relativamente delicado.

Arara de Spix, Ararinha-azul

As araras de Spix eram endêmicas no nordeste do Brasil, principalmente no estado da Bahia, mas também em Pernambuco. Lá eles habitavam uma grande área de território semi-árido conhecida como Caatinga.

Dentro da Caatinga existem microhabitats, um dos quais Рo Bosque Ripícola de Caraibeira, era o lar da Arara de Spix. Esta área particular de habitat está situada perto de uma pequena vila encantadora chamada Curaca, um lugar muito bem situado ao longo do rio São Francisco.

Um dos afluentes que alimenta o rio São Francisco é o riacho Melancia Creek e é ao longo desta hidrovia que se pode encontrar o antigo habitat da Arara de Spix.

A Caraibeira (Tabebuia caraiba) é a espécie arbórea dominante encontrada ao longo das margens do riacho Melancia; foi também a espécie arbórea mais importante para a Arara de Spix, proporcionando buracos de nidificação, abrigo e alimento para a espécie.

Anteriormente, eles possivelmente cobriam uma √°rea muito maior do nordeste do Brasil, abrangendo grande parte da regi√£o ‘Gerais’, incluindo o sul do Maranh√£o, nordeste de Goi√°s, sudoeste do Piau√≠ e norte da Bahia, mas relatos de algumas dessas √°reas s√£o aparentemente baseados em identifica√ß√Ķes err√īneas e at√© informa√ß√Ķes err√īneas fornecidas por ca√ßadores de p√°ssaros.

Conservação:

A Arara de Spix pode não ser da maior ou mais colorida espécie de arara, mas é o papagaio mais criticamente ameaçado do mundo, sem nenhum espécime selvagem conhecido (IUCN, 2004).

Embora esta esp√©cie exista em cativeiro em v√°rias popula√ß√Ķes, o √ļltimo indiv√≠duo conhecido na natureza desapareceu no final de 2000, principalmente como resultado da captura para o com√©rcio de aves selvagens, bem como da perda de habitat.

No entanto, ainda não se pode presumir que esteja extinto na natureza até que todas as áreas potenciais de habitat tenham sido minuciosamente pesquisadas.

Qualquer popula√ß√£o restante √© provavelmente pequena, e por estas raz√Ķes a Arara de Spix √© tratada como uma esp√©cie em perigo cr√≠tico (possivelmente extinta na natureza).

¬ęArara de Spix em cativeiro¬Ľ:

Alguns sugerem que at√© 120 destas belas aves podem existir em cole√ß√Ķes particulares – o n√ļmero exato √© desconhecido. O que √© certo, no entanto, √© que estas √ļltimas araras-araras-espinhosas sobreviventes est√£o entre as aves mais valiosas e protegidas do mundo.

Sua longevidade é estimada em 20-30 anos na natureza e 20-40 anos em cativeiro.

A √ļltima arara selvagem Spix’s Macaw conhecida tinha pelo menos 20 anos de idade no momento de seu desaparecimento.

Existem duas araras-araras Spix em cativeiro que nasceram em 1976 e estas são as araras mais antigas registradas da espécie.

Nomes alternativos:

  • Spix’s Macaw, Arara Azul Pequena (ingl√™s).
  • Ara de Spix (franc√™s).
  • Spixara, Spix Ara, Spix-Ara (alem√£o).
  • Ararinha-azul (portugu√™s).
  • Ararinha-azul (portugu√™s (Brasil)).
  • Arara de Spix, Maracan√° Azul (espanhol).
Categorías: Arara

0 comentarios

Deja una respuesta

Marcador de posición del avatar

Tu dirección de correo electrónico no será publicada.