O com̩rcio ilegal de marfim ou chifres de rinoceronte costuma estar nas manchetes. No entanto, o com̩rcio ilegal de aves representa uma amea̤a ṭo grande РE Parceiros esṭo trabalhando em todo o mundo para combater.

É um negócio multibilionário em crescimento. As estatísticas indicam que o comércio ilegal de vida selvagem gera globalmente entre US$ 7 e US$ 23 bilhões anualmente.

Esse comércio é uma vasta empresa criminosa. Além disso, estima-se que uma em cada quatro espécies de aves e mamíferos globalmente está envolvida no comércio de vida selvagem.

Além disso, o comércio de vida selvagem ameaça os meios de subsistência das comunidades rurais, dificulta os esforços de desenvolvimento e coloca os ecossistemas em risco.

Talvez uma das realidades mais assustadoras desse comércio seja a ameaça que representa para a saúde humana, através da propagação de doenças zoonóticas – doenças que passam dos animais para os seres humanos.

Ameaça Silenciosa: O Comércio Ilegal de Aves no Mundo

O exemplo mais recente e devastador é a pandemia de COVID-19 que causou estragos globalmente e suspeita-se que tenha se originado em um mercado de vida selvagem em Wuhan, China.

A saúde humana está intimamente ligada ao destino dos animais selvagens aprisionados e vendidos em mercados de comércio. O Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente estima que 75% das doenças novas e emergentes são transmitidas por animais selvagens.

Na África, por exemplo, envolve o comércio e o tráfico de presas de elefante e chifres de rinoceronte, escamas de pangolim, carne de caça e aves em perigo, incluindo abutres. O comércio de vida selvagem está impulsionando cada vez mais espécies à extinção e destruindo a biodiversidade.

Voando Alto, Caindo Rápido: A Epidemia do Comércio Ilegal de Aves

Do outro lado do planeta, redes organizadas de caça ilegal estão esvaziando as florestas da Ásia de seus pássaros cantores – onde serão transportados, frequentemente em condições terríveis, para mercados em toda a região.

A demanda excessiva por pássaros cantores – tornada fashion através de competições de canto altamente populares – levou dezenas de espécies à beira da extinção. Na ilha de Java, por exemplo, agora se pensa que há mais pássaros cantores em gaiolas do que nas florestas.

Pavão de pescoço verde (Pavo muticus)

Estudos recentes revelaram números alarmantes no Mediterrâneo, Península Arábica, Norte e Centro da Europa e Cáucaso. Nestas regiões, milhões de aves são retiradas de seus habitats todos os anos – mortas ou vivas – com impactos devastadores nas populações de algumas espécies.

O icônico Pintassilgo-europeu Carduelis carduelis perdeu 56,7% de sua área de distribuição no Magrebe Ocidental devido à caça e comércio extensivos. Sua raridade levou a um aumento no preço e ao estabelecimento de uma rede de comércio internacional ilegal na região. Um pintassilgo atualmente vale US$ 50 – quase um terço da renda mensal média na área.

Vozes do Silêncio: Preservando a Biodiversidade Contra o Comércio de Aves

Nas Américas, a venda de papagaios capturados ainda ocorre em desacordo com a Convenção sobre o Comércio Internacional de Espécies da Fauna e Flora Selvagens Ameaçadas de Extinção (CITES) e leis nacionais que proíbem o comércio não autorizado de animais selvagens.

Um estudo recente de mercados de animais de estimação em Santa Cruz, Bolívia, descobriu que mais de 22.000 indivíduos de 31 espécies de papagaios, a grande maioria dos quais (94%) foram capturados na natureza, eram comercializados ilegalmente todos os anos sob a lei boliviana.

Da mesma forma, um grande número de aves capturadas na natureza é comercializado ilegalmente no México, com estimativas de que os caçadores capturam 65.000 a 78.500 papagaios todos os anos.

Uma das razões pelas quais o comércio de papagaios selvagens continua é que é muito lucrativo, com espécies particularmente belas ou raras sendo vendidas por até US$ 1.000 ou mais.

Embora muitos pássaros sejam comercializados dentro do país de origem, o contrabando internacional de papagaios é muito comum. O comércio de papagaios no México é amplamente impulsionado pela demanda por pássaros exóticos nos EUA, onde estima-se que de 4 a 14% dos papagaios capturados na natureza mexicana (até 9.400 aves) são contrabandeados a cada ano.

Aves ameaçadas de extinção no Brasil correm risco de extinção

Estima-se que os traficantes de aves no Brasil ganhem quase US$ 2 bilhões por ano. O país, um dos mais biodiversos do mundo, é um grande exportador: transporta ilegalmente cerca de 38 milhões de animais silvestres por ano, 80% dos quais são aves, a maioria delas ameaçadas de extinção.

Os animais são cobiçados por colecionadores e criadores locais, mas com a ajuda da polícia ambiental, ativistas brasileiros estão tentando salvá-los.

Cantos Silenciados: Protegendo as Aves da Extinção

Seja estabelecendo e protegendo refúgios seguros para o Calau-de-casque, ajudando caçadores de papagaios a estabelecer formas alternativas e sustentáveis de ganhar a vida, ou apoiando autoridades para fazer cumprir as leis, investimos em soluções sustentáveis de longo prazo que consideram as necessidades tanto da natureza quanto das pessoas locais.

Muito do nosso trabalho em parceria documenta a escala da criminalidade localmente e como ela se conecta a redes transnacionais de banditismo.

Isso ajuda os governos e as autoridades policiais a entender e reconhecer a vasta escala e o impacto devastador em jogo e os incentiva a direcionar adequadamente os recursos legais e de fiscalização necessários.

Categorías: Notícias

0 comentarios

Deja una respuesta

Marcador de posición del avatar

Tu dirección de correo electrónico no será publicada. Los campos obligatorios están marcados con *